22 de junho de 2009

20?

Eu tenho vinte anos e me sinto como uma criança de cinco. Às vezes como uma adolescente completamente confusa. Outras como uma velha chata e ranzinza mas com uma considerável bagagem. Eu só não consigo me sentir com vinte anos. Começo a acreditar que a gente nunca tem a idade que tem. É como se nunca estivéssemos preparados para o número de velas que sopramos. É não ter fôlego suficiente pra apagá-las. Não sei se é um refúgio, ou uma forma de nos eximirmos de responsabilidade, mas eu realmente nunca me encaixo em idade alguma. É como se minha alma fosse uma mistura da minha vida inteira, inclusive a que ainda não vivi. Soa confuso e louco, mas quem disse que a vida era pra ser objetiva e normal? Nunca achei que eu fizesse sentido, não seria agora que vinte anos me dariam uma resposta. Eu sou uma pergunta e serei sempre uma contradição. Cansei de contar os anos. Tenho a alegria de uma criança de cinco anos, a curiosidade e confusão de uma adolescente, a história de alguém com setenta anos e todas as dúvidas e incertezas dos vinte. Sou estranha. Sou todas as idades. Sou todas as pessoas do mundo. Sou eu.