6 de fevereiro de 2010

Tô me guardando pra quando o carnaval chegar


E o carnaval está chegando, mais um. Dizem que o ano só começa depois da quarta-feira de cinzas, né?! O meu geralmente é assim também. É desse jeito não porque não faço nada até o fim do carnaval, mas porque é quando me dou conta que começou outro ano e que as coisas não podem ser exatamente como eram no passado. Não faria sentido algum. São cinzas, não fênix. Acontece que nessa época eu começo a pensar verdadeiramente no que foi o ano que passou, o que eu fui durante e o que sou agora. Não costumo mudar muito, no máximo um corte de cabelo novo, um bronzeado desbotado e meio machado por causa do verão, um velho amor...
Pois falarei de 2009. Achei que seria o melhor ano da minha vida. Não foi. O sonho por qual lutava há alguns anos foi alcançado, eu estava finalmente fazendo a única coisa que nasci pra fazer: jornalismo. E em um dos melhores cursos do país. Era pra ser perfeito, não é mesmo?! Não foi. Eu fiz as coisas não serem perfeitas, fiz coisas erradas, atropelei tudo, passei pelas piores e mais temerosas situações que poderia enfrentar em um único ano, e no fim, sozinha. Eu entendi que nos piores momentos da tua vida estarás sozinha. Ninguém pode sofrer tua dor, ninguém pode ser você. E nunca pedi que fossem. Acho que no fim amadureci mais em um ano do que nos últimos cinco. Mudei um pouco, bastante durante algum tempo, depois voltei a ser a mesma. A mesma sem alguns defeitos antigos e com novos pra exercitar. Não sei se voltei melhor ou pior, sei que estou diferente. Talvez seja um caminho, e é bom saber que achei um. Não posso reclamar que não tenha vivido. Eu posso dizer de boca cheia que vivi muito e vivi de tudo. Senti coisas que nunca havia sentido e com intensidades bem extremistas. Conheci pessoas muito especiais, mantive perto de mim os bons e velhos amigos e acho que marquei a vida de alguns. Eu sempre quis deixar pegadas na vida das pessoas, quis deixar meu ar, as marcas de que passei por ali. Espero que tenha conseguido. E o carnaval vem chegando no mesmo ritmo que a vida passa, e acaba no momento certo. Eu quero me permitir, quero movimento, quero ficar. Quero outro carnaval, com outra fantasia.

"Quem me vê sempre parado, distante garante que eu não sei sambar
tô me guardando pra quando o carnaval chegar
eu tô só vendo, sabendo, sentindo, escutando e não posso falar"


Nenhum comentário:

Postar um comentário